A aventura das palavras... das palavras... as palavras... as palavras

A aventura das palavras... das palavras... as palavras... as palavras
São o chão em chamas onde as lavras

quinta-feira, maio 12, 2011


No dia em que me morreste dentro não senti nada
Nem dor, nem mágoa; nem impotência, nem ira
Mas apenas o desencrostar da ferida seca e sarada
Depois da carne ter esquecido de todo por que se ferira.

Não senti receio nem insegurança, nem sequer algum tormento
Apenas o brilho daquela estrela que em nós periquita e dança
Que antecede os minutos das horas nos dias de contentamento.
Apenas aquele estertor da brisa nas folhas dos plátanos lá fora.
O perder do jogo na “apanhada” quando enfim alguém nos alcança
E segura num agarrar que não segura mas toca e assim se demora…
Que a felicidade é esse toca-e-foge de quando viver não nos cansa
A não ser por servir de escora da cabeça perdida que já não pensa.

No dia em me morreste refulgiu em mim mais que a doce alegria
O gesto de quem rasga o acaso súbito atento na rota da aurora…
Cujo Sol fere com sua luz pura e crua ao eclodir de outro novo dia.
E acende, no chão, a morta sombra do que negritude fora outrora!

1 comentário:

João Ludugero disse...

Adorei vir aqui. Li e reli tanta coisa boa. Adorei seu blog. Formidável. Aconchegante!
Muitas alegrias, hoje e sempre. Saúde!
Se puder, e quiser, visite meu site e,gostando, se puder me adicionar, vou adorar ter sua presença por lá. Deixe seus coments. Abraço iluminado,
João, poeta.