A aventura das palavras... das palavras... as palavras... as palavras

A aventura das palavras... das palavras... as palavras... as palavras
São o chão em chamas onde as lavras

sexta-feira, junho 17, 2011

Quando no Soslaio se Entardece


Andava eu morrendo por tão pouco ver-te,
Que da alma me estendo como puro rio,
E eis senão quando aceso o fulgor da arte
Se incendeia ante a busca pra matar o frio.

Podias ser breve, distante, fugaz, ou inerte
Como uma figura tecida pelo rasgado fio –
A luz que mostra também pode esconder-te... –
Se ao poder da voz te aliasses como me alio.

Mas mais que som dito és constante presente.
Mais que verbo és igualmente oração, prece
Em complemento direto ao coração que sente.

E assim, apareces na tarde que me amanhece
Todos os dias em um lusco-fusco intermitente;
Que a vida é a luz que entrelaçada enternece!

2 comentários:

Larissa Marques disse...

bonito, seu blog!

joaquim maria castanho disse...

Obrigado Larissa, pelo comentário e pela apreciação. O teu blog também é bem expressivo, e os teus poemas são exemplares. Felicidades para ti, amiga